Category Archives: Repositórios Institucionais

FURG registra o primeiro mandato de acesso livre brasileiro

Um importante passo foi dado por uma universidade brasileira rumo a inclusão do país no rol das iniciativas internacionais de acesso livre.

A Resolução Nº 005/2010, publicada em abril de 2010 pelo Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), aprova oficialmente a Política Institucional de Informação da Universidade, que tem por finalidade estimular, manter e garantir o acesso da produção intelectual da FURG por meio de seu repositório institucional de acesso aberto.

Assim, torna-se mandatório que “toda a produção intelectual da Universidade Federal do Rio Grande deverá ser divulgada por meio impresso e/ou eletrônico”, observando o uso de padrões e protocolos de integração, em especial aqueles definidos no modelo acesso aberto.

Com a inclusão deste documento, foi ultrapassada a marca dos 200 mandatos registrados no ROARMAP (Registry of Open Access Repository Material Archiving Policies), diretório que reúne todas as políticas dos repositórios institucionaisde acesso aberto no mundo.

Clique aqui para ter acesso o mandato que institui a Política Institucional de Informação da Universidade Federal do Rio Grande, registrado no ROARMAP pela Dra. Angélica Conceição Dias Miranda, responsável pelo projeto do repositório institucional.

Com informações do Blog do Kuramoto e do blog Open Access Archivangelism, de Stevan Harnard

Anúncios

Acesso Aberto na Embrapa: lançamento da família de serviços de informação

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) acaba de lançar oficialmente um conjunto de serviços de informação de acesso aberto, todos com interface trilingue (Português, Inglês e Espanhol). São eles:

  • Repositório Alice (Acesso Livre à Informação Científica da Embrapa) – É o repositório institucional da Embrapa., ou seja, lida exclusivamente com a informação científica produzida na instituição, aquela que alimenta e que resulta das atividades de pesquisa. Com o ele, a Embrapa cria vias alternativas de comunicação científica dentro da própria instituição, mas, sobretudo, com a comunidade científica mundial. O sistema, que é interoperável, nasceu com 15.219 itens armazenados (artigos de periódicos, trabalhos de congressos, notas técnicas, capítulos de livros, livros, teses e dissertações, etc).
  • Infoteca-e (Informação Tecnológica em Agricultura) – Embora não seja constituído de informação científica, representa o reforço da responsabilidade social da Embrapa, onde o conhecimento produzido chega até os mais diversos segmentos da sociedade. A informação gerenciada pela Infoteca-e é aquela sobre as tecnologias desenvolvidas na instituição. Suas coleções são formadas por conteúdos editados na própria instituição (em forma de cartilhas, livros para transferência de tecnologia, folderes, artigos de divulgação na imprensa, programas de rádio do Prosa Rural e de televisão do Dia de Campo na TV, etc), com linguagem adaptada de modo que produtores rurais, extensionistas, técnicos agrícolas, estudantes e professores de escolas rurais, cooperativas e outros segmentos da produção agrícola possam assimilá-los com maior facilidade, e, assim, apropriarem-se de tecnologias geradas pela Embrapa. O sistema conta hoje com mais de 11.500 itens. Nessa perspectiva, a Embrapa estende os benefícios do acesso aberto para públicos não fazem parte da comunidade científica.
  • Sabiia (Sistema Aberto e Integrado de Informação em Agricultura) – Trata-se do primeiro provedor de serviços da área de agricultura do mundo! Trata-se de um mecanismo de busca automatizado que coleta e centraliza metadados de provedores de dados científicos de acesso aberto, previamente selecionados. Essa interface reúne informações sobre agricultura e áreas afins, possibilitando o acesso ao texto integral de milhares de publicações científicas disponíveis em diversas instituições nacionais e internacionais. Hoje, o Sabiia indexa mais de 191.000 de registros de 115 provedores de dados, permitindo o acesso a documentos como livros, capítulos de livros, artigos em periódicos, folhetos, teses, anais de eventos, entre outros.
Todos esses sistemas são mantidos pelo Sistema Embrapa de Bibliotecas, que é coordenado pela Embrapa Informação Tecnológica e pelo Laboratório de Software Livre, que faz parte da Embrapa Informática Agropecuária. Tais serviços constituem os principais resultados do projeto “Acesso Aberto na Embrapa”, financiado pela própria instituição de pesquisa.

Com informações do  Prof. Fernando César Lima Leite, da Faculdade de Ciência da Informação (FCI) da Universidade de Brasília.

Trabalhos da 1. Conferência Luso-Brasileira de Acesso Livre

Já estão disponíveis os slides das apresentações e os posteres apresentados durante a 1. Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto, realizada entre os dias 25 e 25 de novembro pela Universidade do Minho, em Portugal.

Os slides relacionadas às sessões de trabalho podem ser acessados aqui.

Já os posteres poderão ser acessados aqui.

IBICT participa da 1. Conferência Luso-Brasileira de Acesso Livre

Reunir as comunidades brasileiras e portuguesas que desenvolvem pesquisas e   gestão de serviços relacionados ao acesso livre ao conhecimento. Este é o objetivo da 1. Conferência Luso-Brasileira de Acesso Livre, realizada entre os dias 25 e 26 de novembro, na Universidade do Minho, em Portugal.

O evento é fruto de um Memorando de Entendimento assinado entre os Ministros da Ciência e Tecnologia do Brasil e em Portugal em Outubro de 2009, e segue a tradição das reuniões promovidas pela Universidade do Minho em prol das discussões em torno de repositórios e revistas de acesso livre desde 2005.

Como participante brasileiro na organização do evento, o IBICT encontra-se representado pela Dra. Marisa Brashcer, coordenadora de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados e pela Dra. Bianca Amaro, coordenadora do Laboratório de Metodologia de Tratamento e Disseminação da Informação. Em suas comunicações, a Dra. Marisa e a Dra. Bianca apresentarão o panorama do acesso livre no Brasil, divulgando experiências como o fomento para a criação de repositórios institucionais,  além de tratar da cooperação entre Brasil e Portugal em ações comuns e estratégicas em prol do acesso aberto à informação científica.

A Conferência será transmitida ao vivo por meio de streamming, por meio do link:
http://streaming.uminho.pt/acessolivre.

Alternativamente, pode ser acessada também em:
http://www.scom.uminho.pt/Default.aspx?tabid=7&pageid=204&lang=pt-PT

Mais informações no site do evento: http://confoa2010.acessolivre.pt

II Workshop para Construção de Repositórios Institucionais

Mais 7 projetos vinculados a universidades acabam de receber o kit tecnológico do edital IBICT/FINEP/PCAL/XBDB nº 003/2009 destinado ao fomento para  construção de repositórios institucionais.

As instituições contempladas se reunirão entre os dias 17 a 19 de novembro para o II Workshop para Construção de Repositórios Institucionais. Trata-se de uma iniciativa conjunta do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e da Universidade de Brasília (UnB), por meio da Faculdade de Ciência de Informação.

Assim como aconteceu no mês de julho, as oficinas são destinadas exclusivamente às instituições envolvidas com o projeto. Dessa vez foram contampladas a Biblioteca Universitária da Universidade Federal do Ceará; o Centro de Difusão do Conhecimento, da Universidade Federal de Juiz de Fora; Universidade Federal do Espírito Santo; Universidade Federal de São Paulo; Universidade Federal do Mato Grosso do Sul; Universidade do Pará e a Fundação João Pinheiro.

Detalhes sobre a programação do II Workshop poderão ser obtidos aqui.

Repositórios brasileiros de acesso aberto serão lançados amanhã

A partir de amanhã, dia 15/10, as universidades brasileiras passarão a contar com um importante aliado para aumentar a visibilidade de suas produções acadêmicas. Trata-se do marco para o lançamento, em conjunto, dos repositórios institucionais das 33 instituições públicas de ensino e pesquisa contempladas com os kits tecnológicos distribuídos por meio da parceria entre o IBICT – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia e FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos, ambos órgãos vinculados ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

O chamado “kit tecnológico” é composto de um servidor instalado com software livres que compõem o ambiente de desenvolvimento, tais como sistema operacional Linux, acompanhado de servidor Web Apache, PHP e banco de dados MySQL, além dos aplicativos específicos para a construção e gerenciamento dos repositórios, como o Dspace e SEER – Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas.

A primeira distribuição dos kits para construção de repositórios ocorreu no final de 2009, acompanhado de um encontro presencial com representantes das instituições onde foram tratados diretrizes para a elaboração e desenvolvimento de um plano de trabalho para implantação dos repositórios. Na ocasião, também foi lançado e distribuído o livro “Como gerenciar e ampliar a visibilidade da informação científica brasileira: repositórios institucionais de acesso aberto”, do professor Fernando César Lima Leite.

Em julho de 2010, representantes dessas instituições tornaram a se reunir, em Brasília, para o I Workshop para Construção de Repositórios Institucionais com o objetivo de capacitar os profissionais de informação e técnicos envolvidos diretamente com os projetos de repositórios institucionais. O evento mobilizou os esforços de técnicos e especialistas do IBICT e da Universidade de Brasília (UnB) durante os treinamentos.

De acordo com a coordenadora do Laboratório de Metodologia de Tratamento e Disseminação da Informação do IBICT, Bianca Amaro de Melo, os repositórios institucionais devem servir às necessidades gerenciais de universidades e institutos de pesquisa, mas, sobretudo, devem assumir a responsabilidade de contribuir para a reformulação do sistema de comunicação científica. “Mais do que uma tendência mundial a ser seguida, incentivar a construção de repositórios institucionais é uma importante estratégia que contribui para o aumento da visibilidade da produção científica nacional”, destaca Bianca.

RICAA

O lançamento simultâneo dos repositórios institucionais de ensino e
pesquisa é também o primeiro passo para a formação da Rede Brasileira de
Repositórios Institucionais Científicos de Acesso Aberto (RICAA), que
será apresentada no próximo dia 18/10 durante o XVI Seminário Nacional
de Bibliotecas Universitárias (SNBU), em um painel específico sobre o
acesso livre no Brasil. A proposta da criação da rede é fruto de um
esforço conjunto da Universidade de Brasilia (UnB) e do IBICT.

No SNBU, pesquisadores e especialistas envolvidos com o tema falarão
sobre tópicos como a cooperação nacional e internacional e desafios na
construção dos repositórios institucionais, além de compartilharem as
experiências de sucesso, como os casos da UnB e da Universidade de São
Paulo (USP).

Essas iniciativas marcam a participação brasileira durante a Semana Mundial do Acesso Aberto (Open Access Week 2010), comemorada entre os dias 18 a 24 de outubro com o propósito de mobilizar as instituições governamentais e da sociedade civil em prol da promoção e consolidação dos repositórios e publicações científicas em todo o mundo sob o princípio do livre acesso à informação.

Mais informações:

Secretaria do Laboratório de Tratamento e Disseminação de Informação do IBICT.
Tel: (61) 3217-6249

Programação do painel sobre Acesso Livre no Brasil durante o XVI SNBU
http://www.snbu2010.com.br/programa.asp#dia18

Instituições de ensino e pesquisa contempladas pelo Edital IBICT/FINEP:

  1. Universidade do Rio Grande
  2. Universidade de São Paulo
  3. Universidade Federal de Goiás
  4. Universidade Federal de Mato Grosso
  5. Universidade Federal de Ouro Preto
  6. Universidade Federal de Pelotas
  7. Universidade Estadual de Ponta Grossa
  8. Universidade Federal de Santa Catarina
  9. Universidade Municipal de São Caetano do Sul
  10. Universidade Federal de Viçosa
  11. Universidade Federal do Acre
  12. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  13. Universidade Federal do Maranhão
  14. Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  15. Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  16. Universidade Federal de Sergipe
  17. Universidade Federal do Tocantins
  18. Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais
  19. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO
  20. Universidade Federal de Pernambuco
  21. Universidade federal de Alagoas
  22. Universidade Federal de São Carlos
  23. Universidade Federal de Grande Dourados
  24. Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  25. Instituto Nacional de Tecnologia – INT
  26. Universidade Federal de Uberlândia
  27. Universidade de Brasília-UNB
  28. Centro de tecnologia da informação Renato Archer – CTI
  29. Fundação Santo André
  30. Museu Paraense Emílio Goeldi
  31. Universidade Federal da Bahia
  32. Universidade Federal Fluminense
  33. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – Rio de Janeiro

Ações da UFU para construção de seu RI

Ângela, da Universidade Federal de Uberlândia – UFU, enviou as iniciativas que já foram tomadas para a construção do Repositório Institucional desta unidade de ensino.

  • Criação de uma comissão composta pelos diretores de graduação, pós-graduação e pesquisa; diretor de processamento de dados; diretor da biblioteca e um bibliotecário que trabalhará na coordenação técnica do projeto.
  • A Política Informacional da UFU ainda não foi definida, mas até o momento, estão sendo utilizadas duas portarias já existentes, portaria R nº 1225, de 9/11/2004 que cria a biblioteca Digital de UFU e PROPP Nº. 0002 de 15/09/05. A primeira poderá ser substituída por outra que seja mais específica com relação à criação do repositório. A PROPP Nº. 0002 de 15/09/05, que trata, entre outras coisas, da obrigatoriedade do depósito de teses e dissertação.
  • Outras questões relativas à constituição da política estão sendo discutidas, como é o caso obrigatoriedade, ou não, de depósito no RI e a definição de quais documentos serão aceitos.

Dessa forma, a UFU, se junta ao CETEC-MG, a USCS, INMETRO no intuito de construir um RI em Acesso Livre auxiliando a promover o desenvolvimento científico do país.

Esperamos os demais relatórios sobre os passos iniciais para criação dos RIs para socialização das experiências e do conheciemnto.